quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Não saia com seu pet sem coleira e guia para cachorro nos passeios.

É preciso usar a guia para cachorros durante os passeios com seu pet

Da mesma forma que existem regras para nós seres humanos, estar em público, também exigem regras para nossos cães e uma delas é o uso da guia.

Guia para cachorro nos passeios


Se o seu cão puxa quando está na guia, saiba que existem vários tipos de guia que combinadas com o tipo de coleira ou peitoral, podem ajudar muito na adaptação do seu cachorro a estes acessórios.

O uso de guia é fundamental não somente para evitar que o cão se distancie daquele que está conduzindo, mas visa a proteção do seu cão e dos demais que por ali circulam.

O fato do seu cão estar na guia te dá um maior controle sobre os impulsos e ações quando este age de forma inadequada.

Tipos de guias para cachorros

Para alguns cães, que puxam em demasia, podem ser usados guias e peitorais específicos.

As anti puxões são muito boas para evitar que o seu amigão te arraste pela rua, afinal você deseja passear com seu cão. Fazer educação física pode ficar para um outro momento. ;)

Guia de couro para cães


As guias de couro e algodão são as mais indicadas para quando o cão está em treinamento, pois oferecem menos risco de machucar as mãos. Além dos materiais couro e algodão, temos o nylon, que também é muito empregado na confecção de guias.

Guia de algodão para cães


Apesar da enorme variedade de cores disponíveis para guias confeccionadas em nylon, essas podem machucar as mãos caso seu cão puxe em demasia.

Para esse caso é recomendável a utilização de guias confeccionadas com os materiais couro ou algodão. Sendo recomendadas como guia para cachorro de grande porte.

Guia de nylon para cachorro


Uma atenção especial deverá ser dada, caso você opte por ter uma guia de couro.
A guia de couro não deverá ser guardada quando estiver umedecida.
Antes de guardá-la, procure secá-la o máximo possível.

Em compensação, este material, com o tempo de uso, vai ficando mais macio.
Se tomada as medidas de conservação necessárias, este tipo de guia é para a vida toda.

As guias de couro que não possuem costuras e os arremates são confeccionados através de tranças são as mais seguras e duráveis.


Como fazer uma guia para cachorro

Não existe um padrão para as guias de passeio. Se o seu cão é tranquilo e não puxa durante o passeio, uma guia retratil para cachorro poderá ser oportuna.

A guia retrátil pode ser utilizada em casos que o cão não puxe em demasia, pois dá ao condutor controle sobre as distâncias que o animal deverá manter de seu dono, conforme as diversas ocasiões do passeio.

Guia longa para cães

Já as guias para treinamento devem ter no mínimo 1,90m para dar folga para que o cão execute as atividades do treinamento.

Caso o treinamento exija uma guia de maior comprimento para executar comandos à distância, como ensinar seu cão a buscar e trazer um objeto (por exemplo: uma bolinha), guias de no mínimo 8 metros serão necessárias.

Neste caso é fundamental dar preferência a guias confeccionadas em algodão, para reduzir riscos de queimaduras nas mãos durantes os puxões que provavelmente ocorrerão durante os treinamentos.

Ao utilizar guia para cachorro de grande porte utilizar sempre guias de algodão.

Tipos coleira guia para cachorro


Para ficar em casa, o ideal é seu cão também usar coleira.
Poderá parecer totalmente desnecessário o fato do seu cão ter que usar uma coleira quando estiver em casa, mas não é.  A coleira é a identificação de que existe um dono.

O fato do seu cão usar coleira em casa pode evitar alguns transtornos, principalmente caso ele acabe fugindo, as famosas escapadinhas.

Tipos de coleira guia para cachorro



O risco de perder seu animal é menor se ele estiver usando coleira e esta tiver uma identificação como o nome do seu cão e um telefone para contato.

Placa de identificação para cães
Foto: rockbicho

Muitas vezes acreditamos que isso não vai acontecer conosco, mas acredite, as chances são muito maiores do que você pensa.

O simples fato do seu cão estar com uma coleira de identificação poderá evitar muitos transtornos.

Além da identificação, as coleiras podem auxiliar na hora de você precisar pegar seu cão para tomar um banho, ou retirar ele de cima da cama, do sofá e também para te dar um maior domínio, se precisar separar, caso haja uma “treta” com outro cão da casa.

Logo deve ser usado a coleira em casa. Ela não deverá estar muito frouxa e muito menos muito apertada no pescoço do cachorro.

Para treinamentos e passeios, existem tipos de peitorais e coleiras especiais

Uma das opções mais eficientes para quem procura ter um cachorro comportado, sem riscos de lesões, será considerar o uso da coleira Gentle Leader.

Esta coleira foi projetada conforme os instintos naturais do seu cão para ajudar você a se tornar o líder, abrindo uma linha de comunicação entre você e o seu cão sem que haja crueldade.

Coleira Gentle Leader para cachorro

Também conhecida como GL, esta guia atua como uma espécie de cabresto. Feita geralmente de nylon, ela faz com que o seu cão entenda que quem está segurando a guia é quem detém o controle total da situação.

Uma argola fica embaixo do queixo do cachorro, preso a esta guia. Uma vez tensionada, as tiras de nylon fecham a boca do cachorro, aplicando uma pequena pressão no alto do pescoço, transmitindo a mesma sinalização que uma cadela dá, quando precisa controlar seus filhotes, quando algum deles se comporta de maneira indesejada.

A coleira GL é indicada para:

  • Cães muito medrosos e tímidos
  • Cães fortes que costumam puxar em demasia.
  • Cães dominantes
  • Cães muito agitados.
  • Caso o cachorro é muito agressivo


Outra opção e talvez uma das mais utilizadas, embora fortemente não recomendadas para quem tem pouca experiência no manuseio deste tipo de guia, são os enforcadores.

Coleira enforcador para cães


A utilização deste tipo de guia deve ser cautelosa, exigindo prática, caso contrário, poderá provocar lesões no pescoço e até estrangulamento do seu animal.

Molly e Panetone usando o peitoral Easy Walk


Não vou falar muito dela, visto que existem outras alternativas mais eficazes, como é o caso da coleira Easy Walk, que parece muito o peitoral, mas na realidade não é.

Panetone usando a guia para cães Easy Walk


Diferente do peitoral que é preso pela argola “D”, que fica no dorso do animal, essa guia possui a argola, na parte da frente do peito do animal.

Molly usando o peitoral da Zee Dog
Molly usando o peitoral e a guia da Zee Dog


Conhecida como guia anti puxões, ela também é recomendada para cães que costumam puxar muito, arrastando seus donos pela rua.

Molly usando o peitoral Easy Walk


O fato da guia ficar presa na parte frontal do peitoral no animal, ela dificulta que haja uma forte tração, pois ao puxar ela provoca uma tensão, fazendo com que o animal gire em direção ao condutor, desta forma, causando um pequeno desconforto para o animal.


Guia para cachorro grande

Neste caso a dona do cachorrinho ainda conseguiu segurar ele no colo, embora ela tenha ficado toda arranhada :)

Muitos donos de cães não usam guia durante os passeios. A utilização da guia não significa necessariamente que o seu cão seja agressivo, porém outros animais que também estão circulando por ali, podem ser.

Há algum tempo, um cachorro de porte menor, tentou atacar a Molly e ela apenas rosnou, só não devolveu o troco porque ela estava na guia.

Sorte do cachorrinho, sorte dela, etc.. Até aí normal. Desentendimentos ocorrem. Por mim não passaria de um episódio qualquer. Até que...


O dono veio e me disse: "Pois é! Isso não pode!"
Fiquei sem reação, porém adverti: mantenha seu cão longe dela. Ele atacou uma vez e pode tentar novamente.



Ele foi embora, como se o meu cachorro fosse o pior monstro da face da terra.

E o cachorrinho dele, solto, foi atrás. Aí o bicho pega... Literalmente né. Olha o trocadilho... Eis o motivo do post.

Ah! Mas é um Rottweiler... .

Primeiro: ela estava na guia, o cachorrinho não!

Segundo: ele atacou ela sem qualquer motivo e ela revidou como qualquer um de nós humanos faríamos diante de uma ameaça. Se defender.

Fica o recado e o motivo deste post: se você tem um cão que já deu sinal de agressividade, mantenha ele preso na guia, quando estiver em público.

Aos olhos da maioria das pessoas, o cachorro maior sempre será o vilão.

Não deixe de passear, mas o faça com segurança. Para a proteção dele e dos demais.

Além disso,  existe o problema de um cão não topar o outro, tipo não fui com a sua fuça, logo é melhor ficar na guia.

Essa semana eu estava novamente na praça e vi o mesmo cachorrinho, novamente avançando em outro, desta vez um Pitbull. Mais uma vez, o Pitbull estava na guia e o cachorrinho não.

Bom aí já dá pra ver no que isso vai dar. O recado foi dado pro dono que ainda não entendeu.

Espero que não entenda da pior forma, ou seja com um outro cão revidando e machucando o cão dele.


terça-feira, 1 de janeiro de 2019

3 alternativas para você não deixar sozinho os seus animais de estimação durante a viagem

Vai sair de férias? E os seus animais de estimação?




A melhor resposta seria: eles vão junto! Muitas vezes não depende do dono, muitos locais não aceitam animais de estimação (pet friendly) e o bichinho de estimação terá que ficar.


Réveillon, o terror de cães e gatos

Eles odeiam essa época do ano, devido aos fogos de artifícios. Os transtornos são vários devido ao barulho que essa brincadeira de mau gosto proporciona.



Esse é um costume que infelizmente irá persistir por muitos anos até o ser humano evoluir um pouquinho, pensar nos animais, pensar nos enfermos e nas pessoas com alguma deficiência onde o barulho excessivo é perturbador.

Volto neste assunto em uma outra oportunidade. Esta é apenas uma das preocupações que os donos têm quando vão sair de férias. E agora? Quem irá me socorrer! Calma! Separamos 3 alternativas para você não deixar seu animal de estimação totalmente sozinho.

Hotel para cachorro ou Hotel que aceita cachorro?

Tudo depende do seu destino de férias. Se o hotel aceitar seu animal de estimação e ele não causar maiores transtornos para você, melhor levar junto. Afinal não há lugar no mundo, onde eles gostariam de estar do que ao lado do seu dono.

Se esta opção não for a sua, então é melhor procurar um lugar onde você possa deixar seu cão em segurança. Ah! Nem sempre aquele parente vai se oferecer para cuidar do seu pet.

Os hotéis para cães são uma opção. Esse tipo de negócio está em ascensão no Brasil devido a demanda, que aumenta muito no final de ano .

O hotel de cachorro é uma alternativa onde você poderá deixar seu animal de estimação seguro e sob a tutela de profissionais. Geralmente esses hotéis dispõem de área para laser e alojamentos individuais.

O valor da diária é variável conforme a estrutura oferecida. Os mais caros agregam mais serviços e são mais exigentes quanto a aprovação do hospede. Exigem carteira de vacinação em dia, dose de remédios contra pulgas e carrapatos em dia, etc. Tudo para manter o ambiente livre dessas pragas e evitar que os demais hospedes sejam prejudicados.


Os que aceitam cães de vários porte e também gatos, devem contar com áreas específicas para lidar com cada um deles e também áreas reservadas caso haja cães que demonstrem agressividade com outro cão que porventura esteja hospedado, o famoso “não fui com a sua cara.”

Hospedagem de animais de estimação

Outra alternativa bacana é a hospedagem. Você deixa seu animal de estimação na casa de outra pessoa.



Neste caso não conta com a infra estrutura de um hotel, porém o tratamento é mais personalizado, afinal ele será um hospede daquela casa.

O importante neste caso é deixar seu animal de estimação com quem já tem referência ou que você já conheça. E o mais importante: que goste de animais de estimação. Neste caso seu pet terá mais atenção por parte dos donos.

É semelhante a você comparar entre hospedar em um hotel ou na casa de um amigo. Quem geralmente irá te dar maior atenção? Um atendimento personalizado, visando te proporcionar uma boa estadia?



A hospedagem é um ponto a ser considerado, uma excelente alternativa para cidades que não contam com serviço de hotéis para animais de estimação. Embora o serviço de hospedagem geralmente, não conte com uma super estrutura, ele é mais aconchegante e isso é o que mais importa para o seu cão. 

Os pontos negativos da hospedagem é que geralmente não aceitam cães de grande porte, salvo se os donos já estiverem acostumados a lidar com eles e o local da hospedagem contar com um quintal amplo. A diária também é variável. Quem dá mais atenção geralmente cobra mais. Cuidar de animal de estimação, mas cuidar de verdade, dá trabalho!



Desconfie de quem cobra baratinho. Vá conhecer o local, veja se o seu animal ficará preso ou solto no quintal. Se a estrutura do local e o ambiente são bem cuidados. Se tiver gramado, se a grama está bem aparada, etc...

Atendimento em casa através de um serviço de Pet Sitter

Essa é outra alternativa que você poderá optar para não ter que deixar seu animal de estimação sozinho: O serviço de pet sitter. Esta modalidade não é recente, porém ainda está chegando ao conhecimento do público.



Este serviço consiste em visitar seu animal de estimação na sua casa, quando você estiver fora. Embora seu animal de estimação fique sozinho durante boa parte do dia, este serviço garante pelo menos, a manutenção de água e comida.



Seu cão não sairá do ambiente onde ele vive, o que pode ser um ponto positivo. Evitando estresse de um ambiente diferente, ainda mais se o seu animal de estimação não tiver bom relacionamento os demais.



Existem profissionais que agregam mais serviços, como limpeza do ambiente onde seu animal de estimação fica, serviço de dog walker (passeio com seu animal de estimação), brincadeiras no local, etc...

A visita no local dura entre 30 a 60 minutos. E o horário do dia fica a combinar. O valor depende do serviço agregado, geralmente é mais em conta que os valores das hospedagens nas casas e das diárias nos hotéis.

Este serviço também deverá ser contratado com cautela, procurando conhecer o profissional que dará atendimento. Buscar referências neste tipo de serviço é fundamental.

Fazer nada