Pular para o conteúdo principal

Desvendando os mistérios do câncer em cães: Uma perspectiva multifatorial

O câncer, uma doença complexa e multifatorial, não é simplesmente uma ocorrência isolada, mas sim uma sequência intricada de eventos que culminam no desenvolvimento dessa condição devastadora. 

Desvendando os mistérios do câncer em cães: Uma perspectiva multifatorial


Neste artigo, exploraremos os diversos fatores que contribuem para o surgimento do câncer em cães, compreendendo a intricada rede de influências que moldam essa enfermidade.


O início: Uma cascata de eventos complexos

O câncer é caracterizado pelo crescimento desordenado de células anormais, que adquirem propriedades malignas e frequentemente se disseminam para outras partes do corpo, um fenômeno conhecido como metástase. 

Para compreender plenamente esse processo, é crucial analisar a mutação inicial no DNA celular. 

Embora o organismo geralmente tenha mecanismos para corrigir ou eliminar essas mutações, infelizmente, em alguns casos, essas mudanças persistem.


Idade: Um fator determinante no desenvolvimento do câncer

O avanço da idade é um dos fatores desencadeantes do câncer em cães. 

Idade  Um fator determinante no desenvolvimento do câncer


À medida que envelhecem, os animais enfrentam a degeneração natural e falhas na funcionalidade de órgãos, proporcionando um terreno propício para o desenvolvimento do câncer. 

A probabilidade de câncer em cães aumenta significativamente com a idade, destacando a importância desse fator.


Fatores de risco: Uma análise detalhada

Inúmeras variáveis estão envolvidas na formação de células defeituosas, contribuindo para o surgimento do câncer em cães. 

Fatores de risco: Uma análise detalhada


Abaixo, apresentamos uma análise detalhada dos principais fatores de risco:


1. Genética - Influência em algumas raças

Alguns cães, devido à sua genética específica, apresentam maior predisposição ao câncer. 

Compreender a genética da raça é fundamental para identificar e gerenciar esse risco.


2. Tabaco - Impacto do fumo passivo

A exposição ao tabaco, mesmo como fumante passivo, pode contribuir para o desenvolvimento do câncer em cães. 

Evitar ambientes com fumaça de tabaco é crucial para a saúde canina.


3. Obesidade - Um fator subestimado

A obesidade em cães não só afeta sua qualidade de vida, mas também aumenta o risco de câncer. 

Estratégias de controle de peso são essenciais para mitigar esse fator de risco.


4. Inflamação crônica silenciosa - O papel invisível

A presença de inflamação crônica silenciosa no organismo do cão pode ser um precursor do câncer. 

Identificar e tratar inflamações é crucial para prevenir o desenvolvimento da doença.


5. Castração precoce - Implicações na saúde

A castração precoce pode ter impactos na saúde dos cães, incluindo a predisposição ao câncer. 

Avaliar os prós e contras desse procedimento é crucial para a saúde a longo prazo.


6. Sedentarismo - O risco da inatividade

O sedentarismo contribui para o desenvolvimento de diversas doenças, incluindo o câncer. 

Estimular a atividade física é fundamental para manter a saúde canina.


7. Alimentação inadequada - Um gatilho para o câncer

A qualidade da alimentação desempenha um papel vital na saúde dos cães. 

Eliminar alimentos inadequados e priorizar uma dieta equilibrada reduz significativamente o risco de câncer.


8. Organismos geneticamente modificados - O alerta para milho e soja transgênicos

O consumo de organismos geneticamente modificados, como milho e soja transgênicos, pode estar associado ao aumento do risco de câncer em cães. 

Optar por alimentos não modificados é uma escolha mais segura.


9. Micotoxinas em cereais - Um perigo presente em grãos

A presença de micotoxinas em cereais, especialmente no milho, representa um risco adicional para o câncer em cães. 

A seleção cuidadosa de alimentos é vital para evitar essa ameaça.


10. Conservantes: Etoxiquin, BHT e BHA - Avaliando impactos na saúde

Certos conservantes, como etoxiquin, BHT e BHA, presentes em alimentos para cães, podem ter implicações na saúde e aumentar o risco de câncer. 

Optar por alimentos sem esses aditivos é uma medida preventiva.


11. Disbiose intestinal permanente - A importância do equilíbrio

A disbiose intestinal permanente, um desequilíbrio na flora bacteriana, pode contribuir para o desenvolvimento do câncer. 

Estratégias para manter um microbioma saudável são essenciais.


12. Envelhecimento natural - Células senescentes e o câncer

O envelhecimento natural do organismo está diretamente ligado ao aumento das células senescentes, aumentando o risco de câncer. 

Gerenciar o processo de envelhecimento é fundamental para a prevenção.


13. Oxidação - O papel dos radicais livres

O aumento da oxidação, associado à produção de radicais livres, pode contribuir para o desenvolvimento do câncer. 

Antioxidantes na dieta podem ajudar a mitigar esse risco.


14. Pesticidas - Carrapaticidas e seus efeitos

A exposição a pesticidas, como carrapaticidas, pode aumentar o risco de câncer em cães. 

Desvende os riscos do câncer canino e proteja seu amigo de quatro patas


Limitar a exposição a esses produtos químicos é crucial para a prevenção.


15. Toxinas ambientais - A ameaça da poluição

A poluição ambiental introduz toxinas que podem aumentar o risco de câncer em cães. 

Reduzir a exposição a ambientes poluídos é essencial para a saúde canina.


16. Toxinas na boca - Combatendo o tártaro

Toxinas presentes na boca, especialmente relacionadas ao acúmulo de tártaro, podem contribuir para o câncer. 

Manter uma boa higiene oral é vital para prevenir esse risco.


17. Excesso de vacinas - O desafio do desbalanço imunológico

O excesso de vacinas pode levar a um desequilíbrio imunológico, aumentando a vulnerabilidade ao câncer. 

Seguir um programa de vacinação equilibrado é crucial para a saúde canina.


18. Consumo de ossos crus - Antibióticos e seus riscos

O consumo de ossos crus de animais de produção, devido ao excesso de antibióticos, pode aumentar o risco de câncer em cães. 

Escolher fontes de ossos seguras é vital para evitar esse perigo.


Conclusão: Protegendo a saúde canina

Entender os complexos fatores que contribuem para o câncer em cães é o primeiro passo para proteger a saúde desses animais de estimação. 

Adotar medidas preventivas, como uma dieta balanceada, exercícios regulares e a eliminação de fatores de risco, é essencial para garantir uma vida longa e saudável para nossos fiéis companheiros de quatro patas. 

Ao estar ciente desses aspectos, podemos construir um futuro onde o câncer em cães seja uma preocupação cada vez menor.


Veja também:

12 temperos que cachorro pode comer e utilizar na alimentação natural

Alergias alimentares em cães: Causas, sintomas, tratamentos e cuidados Essenciais

Passeador de cachorros: Desvendando a profissão de passeador de cães












Panetone Studio

Veja também...

12 temperos que cachorro pode comer e utilizar na alimentação natural

Os temperos podem ser incluídos na alimentação de cães, contudo, é crucial ter cuidado na escolha, uma vez que nem todos são seguros para os nossos amigos de quatro patas.  Diversos condimentos comumente utilizados em nossa culinária podem representar riscos à saúde dos cães e, portanto, é essencial estar ciente das opções seguras. Alguns temperos podem ser prejudiciais aos cães e devem ser evitados.  Estes contêm substâncias que podem causar danos aos glóbulos vermelhos e levar a complicações sérias.  Outros temperos, em excesso, também devem ser administrados com moderação, uma vez que o consumo elevado pode levar a problemas de saúde, incluindo distúrbios renais. Por outro lado, existem temperos que podem ser benéficos e até mesmo saudáveis para os cães.  Ervas, quando usadas com moderação, podem adicionar sabor e nutrientes à dieta canina.  Antes de introduzir qualquer novo tempero na alimentação do seu cão, é recomendável consultar um veterinário para garantir a segurança e adequa

Cachorro do mascara, conheça a raça Jack Russell Terrier

O Cachorro do Máscara, o Maylon, é um cão pertencente à raça Jack Russell Terrier que conquistou o coração de muitas pessoas. O Jack Russell Terrier é uma raça de cães pequenos, mas não deixe que o seu tamanho engane você, pois eles são cheios de energia e sempre prontos para a aventura. Esta raça é conhecida por sua personalidade alegre, corajosa e inteligente. O Cachorro do Máskara é um exemplo perfeito desse espírito aventureiro e lealdade, sempre buscando agradar seu dono e se divertir ao mesmo tempo. Se você está procurando um cão amigo fiel e cheio de vida, o Jack Russell Terrier é a escolha certa. A origem da raça Jack Russell Terrier Esta raça de cachorro tem suas origens na Inglaterra do século XIX. O Reverendo John Russell, um amante de caçadas, criou a raça para ser um cão de caça de raposas. Ele cruzou Fox Terriers com outras raças de cães de caça pequenos, buscando obter um animal ágil, corajoso, inteligente e capaz de caçar raposas em tocas. A raça se tornou popular na Gr

Conheça 3 dicas caseiras para tratar as manchas de lágrima ácida no seu cachorro

O que é lágrima ácida em cães Você já deve ter observado algum cachorro com pelos claros com manchas marrom-avermelhadas sob os olhos, a famosa “lágrima ácida”. Surge então a dúvida. O que é lágrima ácida e o porquê das manchas de lágrimas? O que causa o excesso de lágrima? Como resolver o problema? Quais as raças propensas a desenvolver a lágrima ácida? Lágrima acida. Quais raças são as mais Afetadas. Ocorrem em cães e gatos. Algumas raças são mais propensas como: Spitz Alemão, Buldogue Francês, Maltês, Shih Tzu, Poodle, Chihuahua, Bichon Frisé, lhasa apso, pequinês. No gato Persa e em outros animal de estimação de pelagem clara e/ou de focinho achatado. "Que lágrima ácida que nada! Ando sempre maquiada!" (Princesa Meg) “Raças braquicefálicas têm maior predisposição ao problema pois, anatomicamente, possuem canais nasolacrimais, mais tortuosos” Lágrima Ácida ou Epífora Causas da Lágrima ácida ou Epífora No globo ocular poderá ocorrer a obstruçã

Entendendo as reações alérgicas cutâneas em cachorros

As reações alérgicas cutâneas são um problema comum em cães e afetam muitas raças diferentes.  Embora não existam dados estatísticos precisos sobre a prevalência de alergias em cães, sabe-se que cerca de 10% a 20% dos cães sofrem de algum tipo de alergia. Desses, cerca de 20% a 30% têm alergias cutâneas. Algumas raças caninas parecem ter uma predisposição genética para alergias cutâneas, incluindo: West Highland White Terrier Boxer Bulldog Inglês Shar-Pei Dálmata Labrador Retriever Cocker Spaniel Americano Golden Retriever Pastor Alemão Jack Russell Terrier Os diferentes tipos de reações alérgicas cutâneas em cachorros As reações alérgicas cutâneas em cachorros podem ser divididas em três tipos principais:  Dermatite de contato; Dermatite atópica; Dermatite alimentar.  A dermatite de contato ocorre quando a pele do cachorro entra em contato com uma substância que causa uma reação alérgica, como produtos químicos, plantas ou materiais sintéticos.  A dermatite atópica é uma alergia crôni

21 plantas venenosas para cachorro

Um ambiente com planta traz vários benefícios para a saúde, além de deixar o visual mais bonito e harmonioso. Ter um jardim em casa ou em apartamento virou hobby de muitos brasileiros com a pandemia para ocupar parte do seu tempo em dias de isolamento social. As plantas venenosas para cachorros Caso haja cães dividindo o mesmo espaço com suas plantas, o importante é ficar atento ao tipo de plantas que estão inseridas naquele ambiente e ao comportamento do seu melhor amigo. Algumas espécies preferidas pelos brasileiros são plantas tóxicas para cães e gatos. Se ingeridas podem ocasionar até óbito. Os motivos pelos quais nossos animais de estimação acabam mordiscando e ingerindo partes de um arranjo são motivados principalmente pelo tédio e a curiosidade.  Os Sintomas e sinais da intoxicação por plantas As plantas venenosas podem causar uma ampla gama de sintomas, dependendo da substância tóxica presente na planta ingerida e de fatores como a quantidade consumida e a individualidade do ca

Conheça as raças de cães extintas e ameaçadas de extinção.

Os cães têm sido nossos fiéis companheiros ao longo de milhares de anos, desempenhando papéis essenciais em nossa história e cultura.  No entanto, ao longo do tempo, algumas raças caninas, antes populares e valorizadas, enfrentaram um triste destino, levando à sua extinção.  Paralelamente, outras raças ainda existem, mas lutam para sobreviver, correndo o risco de desaparecer para sempre. Neste contexto, exploraremos o fascinante mundo das raças de cães extintas e com risco de extinção.  Mergulharemos em suas histórias únicas, características marcantes e a importância de preservar a diversidade genética para garantir o futuro desses magníficos animais.  Desde cães de trabalho especializados até companheiros afetuosos, cada raça possui uma jornada única que merece ser conhecida e valorizada. Junte-se a nós nessa jornada pela história e pelas peculiaridades dessas raças caninas que enfrentam desafios para permanecerem presentes em nosso mundo.  Descubra o valor de sua herança e a relevânc

SAIBA MAIS SOBRE COMO TOSAR CACHORRO

Chegou o verão, temperaturas altíssimas, e quem tem cãozinho peludo pensa: Será que é hora de tosar ? Todas as raças podem ser tosadas?   O QUE É TOSAR? Tosar é o ato de aparar, cortar ou tosquiar o pelo do seu cãozinho. Alguns tosam por estética, porém existem tosas para higiene ou simplesmente limpeza. QUAIS RAÇAS PRECISAM TOSAR? Alguns cães têm crescimento dos pelos infinitos e precisam de tosas frequentes pois seus pelos não param de crescer. Tosas para Shih-tzu, Poodle, Cocker Spaniel Americano, Cocker Spaniel Inglês e raça Lhasa Apso são raças que necessitam de tosa mais frequente e podem fazer em torno de 45 dias. Algumas raças como: Yorkshire, Schnauzer e Westie a tosa é realizada a cada 2 ou 3 meses. Um fato interessante é que os pelos são isolantes térmicos, além de concentrar o calor no corpo do cachorro (no inverno) ele também evita que o cachorro absorva muito calor (no verão). Nem todos os cães devem ser tosados e quando recomendado, a tosa deverá s

Blue Heeler, o pastor australiano. O red bull canino.

"Eu cheguei e frente ao portão..." e o Tobias me sorriu latindo. Lá estava ele, o Tobias, o meu fiel companheiro de quatro patas, com olhos brilhantes e uma cauda que balançava freneticamente, como se estivesse esperando por este momento há dias. Sim, ele estava correto. Assim como todos os sobrinhos caninos que temos, com esse lindo Blue Heller não é diferente. Ao abrir o portão, a euforia dele era palpável.  Seu latido animado preenchia o ar, como uma saudação calorosa que me envolvia e dissipava todas as preocupações que eu trouxera do mundo lá fora.  Os olhos do Tobias transbordavam alegria e pura devoção, como se o único propósito da vida dele fosse me receber para realizar o seu passeio semanal. Tobias - "Tutú" ou "Tubião" O passeio já é uma tradição sagrada para nós dois.  Enquanto eu pegava a guia e o peitoral, ele dançava em círculos de empolgação, sua expressão impaciente deixando claro que mal podia esperar para explorar o mundo lá fora.

Cachorro vomitando amarelo: o que pode ser e o que fazer

Um sinal de alerta sempre aparece quando seu cachorro começa a vomitar, principalmente quando essas ondas de vômitos persistem. Ver o nosso cachorro vomitando pode ser preocupante e desconcertante. Este incômodo pode ter várias causas, desde comer muito rápido, estar muito tempo em jejum ou alguma doença associada. Neste caso o importante é observar qual é a frequência que está ocorrendo, a consistência deste vômito, além de observar se existem outros sintomas em conjunto como diarréia, letargia ou perda de apetite, ou algum outro sintoma para determinar causa subjacente. O que fazer quando seu cachorro está vomitando amarelo Vômito amarelo em particular pode ser um sinal de uma condição subjacente que precisa ser tratada. O motivo do cachorro estar vomitando amarelo O processo de vomitar envolve a contração dos músculos estomacais para expulsar o conteúdo indesejado do corpo.  Antes ocorre uma contração intestinal que libera a bile. A bile é uma substância produzida na vesícula biliar

Como fazer tosa higiênica em casa

A tosa higiênica é uma parte importante dos cuidados com seu cachorro.  Ela envolve a limpeza e o corte dos pelos ao redor de áreas sensíveis, como olhos, orelhas, patas e região anal.  Fazer a tosa higiênica em casa pode ser uma alternativa conveniente e econômica, além de fortalecer o vínculo entre você e seu animal de estimação.  Forneceremos um guia passo a passo sobre como realizar a tosa higiênica em casa, bem como dicas úteis para tornar o processo mais tranquilo para o seu cachorro. Introdução Antes de começar a tosa higiênica, é importante entender o que ela é e por que é essencial para a saúde e o bem-estar do seu cachorro.  A tosa higiênica envolve a remoção cuidadosa dos pelos ao redor de áreas que tendem a acumular sujeira, umidade e odor.  Essas áreas são propensas a infecções e podem causar desconforto ao animal se não forem devidamente higienizadas. O que é tosa higiênica A tosa higiênica é um procedimento que visa manter a higiene e o conforto do seu cachorro, removend